4 jeitos de dizer mais "nãos"

e ser dono do seu tempo

👋 Você está lendo uma edição exclusiva para assinantes. Boas vindas às novas 688 pessoas que se inscreveram no the jobs desde a última segunda-feira! Agora, somos 37.188 leitores na maior comunidade de futuros&novos líderes do Brasil.

Fala, Jobs. Chegou a hora do nosso 1:1 semanal 😉 

E o assunto de hoje é dos mais quentes, útil para todos os espectros do mundo profissional: do líder mais experiente à pessoa mais nova do time.

Vamos falar sobre como dizer mais “nãos” e, com isso, sermos realmente donos do nosso próprio tempo para não precisarmos, por exemplo, aceitando coisas que não deveríamos pela incapacidade de nos impor.

Esse tema apareceu em vários desafios que vocês compartilharam conosco e também apareceu nas caixinhas de perguntas do nosso Instagram.

Talvez você conheça algumas poucas pessoas que são naturalmente boas em se impor e definir limites.

Eu nunca fui uma delas - principalmente no início da minha carreira.

Eu queria ser visto como um profissional top tier, aquele que sempre assume qualquer desafio que seja necessário e faz acontecer.

Sabe aquela pessoa cujo líder olha e fala “com o Digo, não tem tempo ruim, vamos envolver ele”? Essa era a imagem que eu queria criar - e criei.

Eu falava sim para as oportunidades que apareciam na minha frente e trabalhava bastante pra fazer acontecer, mas existiam 2 principais consequências disso:

  • Eu tinha medo de dizer não, porque sentia que isso poderia prejudicar a minha imagem. “Se eu falar não, pode parecer que eu não tenho tanta vontade ou que não estou interessado” era o que passava na minha cabeça.

  • E eu tinha vergonha de admitir, por exemplo, que uma tarefa demorava mais que o esperado, porque eu não queria que meu líder e as pessoas à minha volta me julgassem ou achassem que eu não era capaz. Se um projeto demorasse 1 semana, eu falaria que conseguiria em 3 dias…

Sendo sincero, eu gostava da validação que isso trazia, porque eu realmente consegui criar a imagem de que “o Digo é pau pra toda obra e nada fica pendente com ele, tudo acontece”.

O problema foi o outro lado da moeda: dizer sim para qualquer coisa inevitavelmente significará dizer não para alguma outra.

De início, a gente não percebe o custo de sair abraçando novas tarefas e projetos - mas isso não significa que não tenha um custo

E esse é o assunto de hoje. Essencial para todos que buscam uma carreira de muito crescimento.

Essa é mais uma edição inspirada por desafios de assinantes. As próximas podem ser inspiradas pelo seu desafio 😉 

Se você está passando por um desafio atualmente e gostaria de vê-lo aqui em uma edição do the jobs, você precisa se tornar um assinante para poder enviar seus desafios.

Como dizer mais “nãos”?

Você provavelmente já ouviu uma frase do Steve Jobs (e de várias outras figuras públicas também) que diz que ”foco é sobre saber dizer não”, certo?

Então…

É muito mais fácil falar isso do que fazer - mas a edição de hoje fala exatamente sobre dois desafios:

  • Um é o desafio de dizer mais “nãos”.

  • O outro é o desafio de dizer mais “nãos” sem se sentir culpado/a por isso.

Existem diferentes maneiras de dizer não e 4 principais aprendizados que eu tive sobre “como dizer mais nãos”:

  1. Pode ser um não momentâneo;

  2. Precisa transbordar transparência;

  3. Preparo muda o jogo;

  4. Tem que ser explícito.

Entraremos no detalhe de tudo isso hoje - mas antes, uma frase para te provocar:

Você está escolhendo tudo aquilo na sua vida que não está mudando.

Você pode não gostar de algo, você pode achar que algo está te atrapalhando ou que algo poderia ser muito melhor do que é hoje…

Mas, se você não está fazendo algo pra mudar isso, você está escolhendo isso.

Nem tudo que a gente enfrenta pode ser mudado, mas nada pode ser mudado sem que seja enfrentado.

E é por isso que o assunto da edição de hoje é tão importante.

2 coisas importantes que você provavelmente já sabe, mas precisam ser reforçadas para introduzir o assunto: (1) dizer não normalmente traz um aspecto negativo à conversa; (2) por outro lado, dizer não costuma significar uma melhor priorização do nosso tempo.

Uma verdade é que quando nós falamos que “estamos na correria”, nós só estamos deixando claro que deveríamos ter falado mais “nãos” e não falamos.

Outra verdade é que quando nós começamos a nos provar como pessoas boas e competentes (o que eu imagino que seja a maioria dos leitores dessa newsletter, que buscam ativamente o desenvolvimento pessoal), nós somos mais acessados.

Pessoas querem pedir mais ajuda e tempo de pessoas competentes - isso vai acontecer.

E eu sei que você não quer (assim como eu também não quero) parecer uma pessoa que só pensa em si e não liga para os outros.

E dizer mais “nãos” pode levar a essa percepção. É a realidade…

Mas é aí que entra o aprendizado nº 1 de hoje:

O aspecto negativo de “dizer não” está mais fora do seu controle do que dentro dele. Reconhecer isso já é o primeiro passo para dizer mais nãos de um jeito “menos pesado”.

Eu tenho uma pequena regra de bolso para quando eu preciso dizer não:

  • Eu preciso “falar não” quando a situação é sobre agradar alguém; quando a situação cruza alguns dos meus princípios; e quando não está alinhada às minhas metas.

Talvez tenha passado na sua cabeça uma dúvida: “uai Digo, mas você não ‘fala não’ quando está sobrecarregado também?” e aí vem uma confissão:

Eu tenho dificuldades de dizer não quando estou sobrecarregado, porque eu tenho uma tendência de querer me provar e de me forçar a cumprir desafios.

(Sim. O que eu comentei no início da newsletter ainda é um padrão meu. Eu diria que não tão forte quanto antes, mas continua.)

O lado ruim disso você já sabe: eu fico ainda mais sobrecarregado e alguns pratinhos menos importantes acabam caindo.

O lado bom você também sabe: eu me desenvolvo e aprendo a lidar ainda melhor sob pressão.

Agora, duas outras coisas implícitas do lado bom que talvez você não veja são: (1) eu estico a minha zona de conforto; (2) e assumindo desafios quando estou sobrecarregado me ajuda a identificar com mais facilidade coisas para as quais eu deveria ter falado não antes.

Vou explicar:

(1) Esticar a zona de conforto: se você ler um conselho falando para “dizer mais nãos quando está sobrecarregado”, seu cérebro vai achar que está sobrecarregado antes de você estar realmente sobrecarregado. É a natureza humana.

(2) Assumir desafios alinhados às suas metas é importante. Se você realmente estiver sobrecarregado, você vai deixar alguns pratinhos cair. Estes serão os que você deveria ter evitado antes. Isso já aconteceu claramente comigo quando tentei construir 2 empresas ao mesmo tempo; isso também já aconteceu comigo quando estava achando que uma meta de leitura era mais importante do que o que eu tinha que executar (tive que despriorizar parte da leitura); e isso também já aconteceu comigo quando eu topei, por bom coração, mentorar uma pessoa em um momento ruim meu (ajudar é algo que eu amo fazer, mas não pode ser às custas do meu objetivo).

Ok. Então como, na prática, eu posso dizer mais “nãos”?

Agora, vamos ao "como dizer mais nãos”.

Na prática.

Se você pesquisar na internet, vai encontrar uma série de conselhos.

Tem conselho dizendo pra justificar por que dizer não.

E tem conselho dizendo pra não justificar.

Você já sabe como é…

(Minha aposta é que a maioria dos conselhos online não foram escritos por pessoas que realmente fizeram o que estão escrevendo.)

Vou te falar 4 coisas que, na minha experiência, são as mais importantes para aprender a “dizer mais nãos”.

1. Pode ser um não momentâneo.

Frequentemente quando me pedem algo ou quando aparece alguma oportunidade, eu tento entender para quando é.

Parece meio chato às vezes? Parece.

Mas é entendendo o prazo real e fazendo algumas perguntas para entender isso que eu consigo chegar a uma conclusão que já tiraria um peso das costas de metade do mundo:

O prazo que está nas cabeças das pessoas quase nunca é tão urgente quanto nós achamos que é.

Isso significa que podemos dizer um “não momentâneo” sem mesmo dizer a palavra “não”.

Uma resposta simples, para ilustrar isso, depois de ter entendido o real prazo, é você colocar uma sugestão de data de início para “dizer sim”.

Fica mais ou menos assim: “deixa comigo, consigo ajudar com isso - estou terminando 2 outras prioridades aqui e consigo começar isso no dia tal, ok?”

Agora, se a pessoa pede com urgência, é mais complicado. 4 situações, nesse caso:

(1) Se for seu líder, renegocie prioridades. Falar explicitamente sobre prioridades é sempre bom - use-as para renegociar.

(2) Se não for seu líder e for importante, dê uma mini bronca e peça antecedência - e alinhe uma repriorização com seu chefe, se for o caso.

(3) Se não for seu líder e não for importante, mas você conseguir ajudar, faça para depois “ter um favor a ser cobrado” ou se enxergar que criar uma boa imagem com essa pessoa pode ser útil.

(4) Se não for seu líder e não for importante e você não conseguir ajudar, “seja chato” e diga que não pode sacrificar o seu por conta de uma falta de planejamento.

Normalmente, as pessoas não sabem como falar tudo isso. Não tem um jeito certo, mas é tão simples quanto está escrito. Um exemplo:

🚫 Antes:

Líder: “Isso deve tomar por volta de 40min a 1h. Você consegue fazer Y, né?”

Você (na sua cabeça): “Hmm…Isso deve levar umas 3 ou 4h...”

Você (em voz alta): “Lógico, deixa comigo!"

✅ Depois:

Você (em voz alta): “Boa, já vou adicionar à lista - mas isso deve tomar de 3 a 4h. A gente tinha falado de priorizar X, então preciso antes terminar isso, ok? Se eu precisar colocar Y na frente, vamos precisar renegociar o prazo ou envolver pessoa Z no projeto. Me parece melhor seguir do jeito que estávamos e depois fazer Y. O que você acha? Posso seguir assim?”

2. Fale com muita transparência.

O jeito mais fácil pra tudo é ser transparente.

Acredito demais nisso.

No momento em que você não tem outra opção a não ser dizer “não”, seja transparente. Eu faço o seguinte: “eu gostaria de ajudar, de verdade, mas preciso priorizar X que estou fazendo agora”.

Repare que nem precisei usar a palavra “não” nessa frase (embora, às vezes, um simples “cara, realmente não consigo” ajuda bastante também).

E repare que é uma pegada “a culpa não é sua, é minha”, que ajuda na construção de um relacionamento, versus um conselho de internet “diga não sem justificar” (e pareça um mala, risos).

Com detalhes, cria-se empatia.

Isso é importante de lembrar, porque

3. Preparo muda o jogo.

Opa! A partir daqui, o conteúdo é só para assinantes do the jobs.

Pode confiar, você vai adorar e o conteúdo vai ser útil para a sua carreira.

Caso contrário, você recebe seu dinheiro de volta em até 7 dias. Tempo suficiente pra conhecer todo o nosso conteúdo ;)

Subscribe to Premium to read the rest.

Become a paying subscriber of Premium to get access to this post and other subscriber-only content.

Already a paying subscriber? Sign In